Mostrar Mais

ENXURRADA NA ALDEIA

O projeto é uma ação do Aldeia Coletivo Cênico contemplado no edital Agitação Cultural 2015 da Secretaria de Cultura da Bahia, e realizará 06 meses de atividades na sede do coletivo, no subsolo da Casa Preta, no Dois de Julho, todas com entrada franca, no sistema “pague quanto quiser”.

 

Dentro da programação do ENXURRADA NA ALDEIA, de entre janeiro e junho de 2016, serão oferecidas atração em diversas linguagens artísticas, como shows musicais, como o já consagrado “Barulhinho” com edições especiais no formato “Kids” e “hip-hop” com a participação de MC Coscarque, e a estreia do “Show na Aldeia”. O teatro não fica de fora, com o retorno de temporada de “Kanzuá, nossa casa” e estreia da nova montagem “Pindorama” e espetáculos convidados, como o “EVA” do Coletivo das Liliths. O projeto também contempla atividades de formação, como o “Troca de Saberes e Fazeres” que começa com o tema “Iluminação Cênica”, além de oficinas formativas com Fernanda Júlia (OJUINAN) e Maurício Pedrosa (Bonecos e Formas Animadas). O espaço também servia de suporte para exposições fotográficas e outras exposições artísticas dos artistas Andréa Magnoni, Artur Soares, e das crianças que visitam o espaço e deixam seus desenhos.

 

Destaque na programação, para este final de semana é a estreia do “Show na Aldeia” com repertório autoral do Aldeia Coletivo Cênico, sexta, 20he a inauguração da Biblioteca Comunitária Itajuípe,  um espaço comunitário de troca de livros, onde todos podem emprestar, retirar ou doar livros, revistas e gibis, (a inauguração prevista para o 16 foi adiada por conta da chuva) e que acontece neste domingo, 24, 15h, com o show “Barulhinho Kid´s” com a Barulhinho Kids com Banda Prequetés e Banda na Aldeia, além de Oficina de pintura em tela para crianças com Artur Soares.

 

O Aldeia Coletivo Cênico é estimulado pela pesquisa continuada do ator e iluminador Luiz Guimarães sobre a formação da identidade cultural do povo brasileiro com base nas matrizes culturais dos povos indígena e africano, utilizando como síntese cultural o culto dedicado aos ENCANTADOS nas Comunidades de Axé de nação Banto, os CABOCLOS.

 

A palavra “Enxurrada” vem das grandes quantidades de água provenientes da chuva que fertiliza e alimenta. Sendo assim propomos abundância de arte e cultura, trazendo a tona temas presentes na sociedade atual, com o recorte na tradição e ancestralidade indígena do povo brasileiro, além de temas transversais como a diversidade racial, de gênero e religiosa, diz Luiz Guimarães.

 

A programação segue até o dia 30 de junho, no espaço Aldeia, subsolo da Casa Preta, no Dois de Julho. A realização é do Aldeia Coletivo Cênico, com produção da Modupé Produtora e apoio financeiro do Governo da Bahia, através do edital Agitação Cultural.