Mostrar Mais

NATAS EM SOLOS

O projeto Natas em Solos – Seis Olhares sobre o mundo é um projeto artístico-investigativo-formativo que consiste na investigação, montagem e apresentação de seis solos concebidos e realizados pelos intérpretes/criadores do NATA a partir das pesquisas cênicas individuais destes artistas. As temáticas abordadas por estas investigações surgiram através de experimentos cênicos e inquietações artísticas realizadas em paralelo as construções dos espetáculos do grupo. Deste modo após dezoito anos de pesquisas e trabalhos cênicos continuados o NATA decide colocar em cena as inquietações artístico-filosóficas de seus intérprete/criadores.

O projeto foi concebido com o desejo de colocar o grupo em profunda auto provocação cênica, o que gerou seis espetáculos que traduzem a diversidade artística presente no grupo e que visam fortalecer a individualidade artística para fortalecer o coletivo criativo, no sentido de potencializar o interesse e as necessidades individuais de cada intérprete/criador e por meio desta potencialização individual fortalecer o grupo enriquecendo-o e ampliando nossos horizontes artísticos criativos.

As montagens estreiam de forma sequencial e de 10 de janeiro a 15 de fevereiro de 2017, o público poderá conferir os espetáculos Iyá Ilu de Sanara Rocha, Impopstor de Daniel Arcades e Rosas Negras de Fabíola Julia, todos no Espaço Cultural da Barroquinha, e no Teatro Gregório de Mattos estarão os espetáculos Gbage de Nando Zâmbia, As Bala Que Não Dei Ao Meu Filho de Antônio Marcelo e Mundaréu de Thiago Romero, com ingressos a R$ 20 e R$ 10,00. O projeto ainda realiza “bate-papo” após as apresentações. Natas em Solos é uma realização do NATA – Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas e da Kalik Produções. Este projeto foi contemplado pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014.

 

IYÁ ILÚ

ESPAÇO CULTURAL DA BARROQUINHA - 10,11,17 e 18/01 - 19H

 

Intérprete/criadora/ roteiro poético: SANARA ROCHA

Colaboradora poética: ANDREA MARTINS

 

O solo consiste em um ritual afro futurista de saudação a Ayan – a deusa do tambor. Propõe uma discussão acerca das mulheres e o tambor, suas relações e inter-relações ambiciona trabalhar teatro e música a partir das inquietações de Sanara Rocha com o universo da música e das cerimônias sagradas que interditam a presença feminina a frente da bateria dos tambores sagrados. Questionando as “tradições”, mas acima de tudo procurando estabelecer diálogos com a tradição e a contemporaneidade.

GBAGBE

TEATRO GREGÓRIO DE MATTOS | 13/01 - 19H | 14/01 - 17H e 19H |15/01 - 17H

 

Intérprete/criador: NANDO ZÂMBIA

Direção: FÁBIO VIDAL

Dramaturgia: DANIEL ARCADES

 

GBAGBE é o título do trabalho cênico desenvolvido por Nando Zâmbia, com direção de Fábio Vidal e texto de Daniel árcades. O espetáculo estabelece ligações com o ritual da "árvore do esquecimento" e traz à cena questionamentos acerca da vida cotidiana que vivemos produzindo diversas provocações e reflexões sobre o tempo, memória, ancestralidade, afirmação e afro-brasilidade.

AS BALAS QUE NÃO DEI A MEU FILHO

TEATRO GREGÓRIO DE MATTOS | 20/01 - 19H | 21/01 - 17H E 19H | 22/01 - 17H

 

Intérprete/criadora/direção: ANTÔNIO MARCELO

Dramaturgia: DANIEL ARCADES

 

O solo aborda a temática do genocídio da juventude negra nas periferias das grandes cidades e através de uma ficção que conta a história de um policial negro filiado a um “grupo de extermínio” que chega em casa após protagonizar uma “chacina” e não encontra seu filho adolescente que havia saído com alguns amigos. A dúvida e o terror o assolam teria ele ou seus companheiros assassinado seu filho?

IMPOPSTOR

ESPAÇO CULTURAL DA BARROQUINHA | 24,25,31/01 e 01/02 - 19H

 

Intérprete/criador/dramaturgo: DANIEL ARCADES

Direção: SUSAN KALIK

 

O solo convida a plateia a participar de um dia crucial na vida de um show-man religioso. Dentro do programa televisivo “Valor Global”, a espera pela chegada da família de Luttero Lúcius, para uma importante participação ao vivo, faz com que toda a plateia reconheça as facetas de sujeitos que entendem como funciona o Mercado da Fé e quais são as estratégias estabelecidas para a expansão dos negócios. Impostores da fé e o seu poder diante da mídia global ficam cara a cara com o espectador neste programa-reunião-peça-encontro pop.

MUNDARÉU - NA BEIRADA DO TEMPO

TEATRO GREGÓRIO DE MATTOS | 03/02 - 19H |  04/02 - 17H e 19H | 05/02 - 17H

 

Intérprete/criador/direção: THIAGO ROMERO

direção: JARBAS BITTENCOURT e THIAGO ROMERO

Dramaturgia: DANIEL ARCADES

 

Inspirado no Universo Literário de escritores como: Guimarães Rosa, Mia Couto, A José Eduardo Agualusa e em manifestações da cultura popular brasileira Mundaréu é um convite a acompanhar as andanças de Cascudo. memória, partidas, saudades, ancestralidade e encontros são mais importantes que o percurso feito pelo andarilho relatado durante a peça. Trata-se de um convite para compartilhar os diálogos não-urbanos, a relembrar as histórias desenvolvidas em passado no território baiano para além do cosmopolita e do estereótipo regionalista. Em Mundaréu é preciso enxergar outras regiões, outras vivencias e principalmente outras cegueiras. Quando pensamos que conhecemos o Brasil adentro, outro mundo nos comprova que ainda não vimos nada. 

 

ROSAS NEGRAS

ESPAÇO CULTURAL DA BARROQUINHA | 07, 08, 14 e 15/02 - 19H

 

Intérprete/criadora: FABÍOLA JULIA

Direção: DIANA RAMOS

Dramaturgia: FERNANDA JÚLIA

 

 O solo ambiciona contribuir com o empoderamento da mulher negra. A pesquisa consiste na criação de um espetáculo-dança que terá sua dramaturgia construída a partir das histórias de vida de algumas mulheres negras com relevantes contribuições para a luta contra a discriminação e a violência contra a mulher e principalmente contra a mulher negra. Um espetáculo que visa pôr em cena a beleza, o vigor, a inteligência, a sensualidade e sensibilidade da mulher negra lutando contra os estigmas e os estereótipos imputados a elas pelo processo de colonização.